15 dias no Japão: todas as dicas para planejar seu roteiro pelo país do sol nascente
Ásia Japão Kyoto Tokyo

15 dias no Japão: todas as dicas para planejar seu roteiro pelo país do sol nascente

Por Camilla Ribeiro    Postado em 11.01.2019

O Japão sempre esteve nos meus sonhos de viagem, mas confesso que não achava que realizaria esse sonho tão cedo. Mais rápido do que eu imaginava, no entanto, em outubro de 2018, conheci esse país tão incrível, que superou incrivelmente as minhas já altas expectativas.

templo_dourado_kyoto_japao

O magnífico templo dourado, em Kyoto (Foto: Viagem no Detalhe)

A cada cidade que passava mais me impressionava: Tokyo, com sua cultura pop latente e vibes cosmopolitas; Kyoto, que parece uma volta ao tempo do Japão imperial; Hiroshima, com sua história tão marcante; Osaka com sua noite animadíssima, onde é impossível não entrar no clima…tantos lugares maravilhosos!

algodao_doce_harajuku_japao_tokyo

Algodão doce de arco-íris, em Tokyo (Foto: Viagem no Detalhe)

hiroshima_domo_bomba_atomica_japao

Anoitecer em Hiroshima (Foto: Viagem no Detalhe)

Mas, não fosse só isso, o povo japonês com certeza foi um fator extra para o meu encantamento com o país. Quanta educação e gentileza! Acho que nunca fui tão bem tratada em uma viagem! Achei impressionante que, mesmo quando não falavam inglês, os japoneses eram capazes de sair do seu próprio caminho, consultar terceiros por telefone ou o que mais fosse necessário para me ajudar ou dar uma informação – simplesmente incrível!

castelo_osaka_japao

O magnífico Castelo de Osaka (Foto: Viagem no Detalhe)

jardim_himeji_japan

Jardim do Castelo de Himeji (Foto: Viagem no Detalhe)

Se você é fã de cultura pop,  jardins encantadores, natureza, história milenar, costumes diferentes e boa gastronomia, garanto que vai se apaixonar por essa viagem. 🙂

osaka_noite

Noite de Halloween, em Osaka (Foto: Viagem no Detalhe)

// Entrando no clima

Pra mim, a viagem começa muito antes do embarque, quando começo a planejar o roteiro e sonhar com os lugares que irei conhecer. Por isso, gosto muito de, nessa etapa, já ir lendo livros e assistindo filmes que me tragam um gostinho do país que vou visitar.

Para o Japão, essas foram algumas das leituras que fiz e filmes que assisti para entrar no clima:

Livros:

  • Os Japoneses – livro da coleção Povos & Civilizações da Editora Contexto, que traz um bom apanhado da história e cultura japonesas, de forma resumida. Essa leitura me ajudou a contextualizar melhor visitas que fiz a castelos, palácios e templos, no Japão.
  • Livros de Haruki Murakami – tem muito do Japão nos livros do badalado autor japonês. Eu escolhi ler a trilogia 1Q84 antes da viagem e super recomendo!

 Filmes:

// Como Chegar?

Diversas companhias aéreas operam o trecho Brasil – Tokyo. Eu voei de Emirates, com conexão em Dubai, e aproveitei a possibilidade de fazer um stopover na cidade, sem custos adicionais que a cia aérea oferecia, para passar 2 dias nos Emirados Árabes (conhecendo Dubai & Abu Dhabi).

Considerando que são quase 24h de voo, do Rio de Janeiro até o Japão, uma pausa estratégica no meio do caminho foi super conveniente – se tiver tempo, recomendo! Contei meu roteiro e dicas dos Emirados Árabes nesse post aqui.

// Documentos necessários

Além de passaporte válido por 6 meses (com pelo menos uma página completa em branco, que será ocupada pelo visto), é necessário ter visto para entrar no Japão. O visto de turista deve ser solicitado no consulado do país, da sua cidade, e é super simples de fazer o requerimento.

Para solicitar o visto, basta juntar os documentos necessários (atualmente: passaporte válido, formulário de Pedido de Visto para entrar no Japão, foto 3 x 4, passagem/reserva de ida e volta desde a saída do Brasil, cronograma da viagem e comprovante de renda) e levar direto no consulado do Japão, sem hora marcada. O prazo de entrega é de 2 dias úteis e, na retirada, você paga a taxa em dinheiro (R$ 86 – valor de janeiro/2019).

Eu segui esse excelente passo a passo para solicitar meu visto, montado pela Thaís, do Guia mundo afora, e não tive dificuldade nenhuma!

Apesar de não ser obrigatório ter seguro viagem para viajar para o Japão, não recomendo que você vá para o outro lado do mundo sem ter um! Eu sempre consulto o site do Seguros Promo para pesquisar e fechar o meu – recomendo!

// Quando ir?

O Japão pode ser visitado o ano todo e a escolha da época para a sua viagem vai depender basicamente do cenário/clima que você preferir encontrar por lá.

Eu gosto muito de viajar na primavera e no verão e sempre imaginei que conheceria o país na época das cerejeiras (que aparecem no início da primavera, no final de março e início de abril). Mas, acabei viajando em meados de outubro e confesso que me surpreendi demais com as cores do outono por lá. As árvores ficam com lindos tons de laranja, amarelo e vermelho – impossível não se apaixonar!

cores_outono_koyasan

Árvores vermelhas do outono japonês (Foto: Viagem no Detalhe)

cores_outono_japao_koyasan

Cores do Outono em Koyasan (Foto: Viagem no Detalhe)

Se você também sonha em encontrar esse cenário, marque a sua viagem para o Japão entre outubro e novembro (sendo que, nesse último mês, é mais certo de encontrar o vermelho na paisagem), garanto que você também vai se surpreender!

// O que visitar?

Apesar de ser um país relativamente pequeno, o Japão oferece muita coisa para visitar e não foi fácil selecionar as cidades por onde passaria – tudo é muito interessante e convidativo!!

Acho que nenhum roteiro pelo Japão seria completo sem uma visita a Tokyo e Kyoto, que são cidades completamente diferentes, mas complementares. Fora essas duas cidades, o céu é o limite!

ruas_tokyo

As luzes e lojas de Tokyo (Foto: Viagem no Detalhe)

kyumizudera_templo_kyoto_japao

Kyumizu-dera, um dos principais templos de Kyoto (Foto: Viagem no Detalhe)

// Meu roteiro

Dia 1 e 2Dubai & Abu Dhabi
Dias 3 a 6 – Tokyo
Dias 7 a 9 – Kyoto
Dia 10 e 11 – Hiroshima, passando por Himeji e Miyajima
Dias 12 e 13 – Osaka, com um bate e volta para Nara
Dia 14 – Koyasan
Dias 15 e 16 – Tokyo

A medida que for escrevendo os posts sobre cada um dos lugares visitados, colocarei os links aqui, para termos um grande índice geral dessa viagem. Click no nome dos lugares, para ver o post completo com as dicas de cada um deles.

Achei que essa divisão acabou sendo muito boa e que consegui conhecer bem todos os lugares por onde passei. Se eu pudesse mudar alguma coisa, seria incluir mais um ou dois dias para Hiroshima, pois os bate e voltas que são possíveis fazer a partir da cidade (no meu caso, Himeji e Miyajima), valem um dia todo de passeio.

ilha_myiajima_japao

A idílica ilha de Myiajima (Foto: Viagem no Detalhe)

castelo_himeji_japao

Castelo de Himeji, tesouro nacional japonês (Foto: Viagem no Detalhe)

Se você não tiver com o tempo apertado, recomendo acrescentar 1 ou 2 dia para Hiroshima, para fazer tudo com mais calma. Se puder, também vale incluir mais alguns dias para Tokyo. Achei que, em 4 dias e meio, conheci bastante coisa, mas Tokyo é daquelas cidades fascinantes em que vale a regra “quanto mais, melhor”. Mal vejo a hora de voltar…

img_2206

Akihabara, um dos bairros mais intrigantes de Tokyo (Foto: Viagem no Detalhe)

// Como se locomover dentro do país?

De uma cidade para outra, a melhor forma de se deslocar é através do trem bala (o Shinkansen). Dentro das cidades, o transporte público funciona super bem e é a melhor opção.

shinkasen_japao

Shinkansen, o trem bala japonês (Foto: Viagem no Detalhe)

Em Tokyo, o táxi é proibitivo (paguei, num trajeto de aproximadamente 15 minutos, do aeroporto para o nosso hotel, USD $ 100!!), mas, em outras cidades (como Kyoto e Hiroshima), cheguei a fazer algumas poucas corridas pequenas de táxi, por preços caros, mas não tão exorbitantes.

// Dicas, Dúvidas Gerais & Curiosidades

➦ Japan Rail Pass

O Japan Rail Pass (“JR Pass”) é um passe que apenas turistas podem comprar e que permite que você viaje pelas linhas ferroviárias JR e de trem bala, por um preço muito mais em conta do que comprando as passagens avulsas, na hora.

O JR Pass só pode ser comprado com antecedência (você precisa já viajar com ele, não dá pra comprar lá no Japão). Uma vez chegando no Japão, é preciso trocar seu “voucher” pelo passe efetivamente, num dos postos JR e, a partir do primeiro uso, o passe é validado.

jr_pass_posto_de_troca_japao

Posto de troca do JR Pass (Foto: Viagem no Detalhe)

O valor vai depender de quantos dias seja o seu passe (1 semana, 2 etc.) Eu comprei o meu para 2 semanas, com a Gema Turismo, e posso dizer que valeu muito a pena, economizei muito mais do que se deixasse para comprar as passagens na hora.

Se você planeja passar por várias cidades na sua viagem pelo Japão, muito provavelmente, vai valer a pena comprar o passe. Do contrário, sempre faça a conta para avaliar.

➦ Internet e Aplicativos

Para uma viagem para o Japão funcionar, acho imprescindível ter um chip com internet e dois aplicativos fundamentais instalados no seu celular: Google Maps (salvador de vidas nessa viagem!!) e Google Tradutor.

Como sempre, já saí do Brasil com meu chip da EasySim4u, que é meu companheiro de todas as viagens. Gosto muito desse chip por já chegar no destino conectada e pelo fato dele funcionar em mais de 140 países, ou seja, não preciso ficar comprando 1 chip em cada lugar que passar.

O Google Maps foi meu melhor amigo nessa viagem porque era por ele que descobria absolutamente todos os caminhos, meios de transporte, estações, tudo em termos de rota! Era só colocar o destino final e já conseguia saber que ia ter que caminhar até o lugar x, pegar o ônibus y ou o metrô até a estação z… enfim, tudo mastigadinho. Imprescindível numa viagem para o Japão.

multidao_harajuku_tokyo_japao

Google maps: essencial para não se perder no Japão (Foto: Viagem no Detalhe)

O Google tradutor eu usei mais para compras, mas pode ser usado para conversas. Por exemplo, queria comprar um creme, mas pelas instruções da embalagem (escritas, obviamente, em japonês), não dava nem pra saber para que o produto servia. Daí, eu fotografava e via a tradução no aplicativo. Também usei o Google tradutor em um único ponto de ônibus, que não tinha instruções em inglês (a maioria é bilíngue).

➦ Idioma

Ao contrário do que li antes da minha viagem, não achei TÃO difícil a comunicação  no Japão como esperava. Muitos japoneses falam inglês (em Tokyo, então, acho que a maioria) e, mesmo nas cidades pequenas, nos lugares que importavam (hotéis, metrô, estação do trem bala), sempre tinha alguém que falava o idioma. E, quando não rolava, ia na mímica mesmo! rs

No que diz respeito à comida, a maioria dos lugares tem menu em inglês ou maquetes na vitrine com as comidas. Também há muitos lugares em que a comida é comprada em máquinas, então, você consegue ver a foto antes de escolher.

comida_maquete_japao

Maquetes de comida na porta de restaurante, em Tokyo (Foto:  Viagem no Detalhe)

➦ Segurança

Acho que o Japão foi o país em que me senti mais segura durante uma viagem, na minha vida (e olha que eu já morei até no Canadá! rs). Cheguei a voltar a pé, em Tokyo, de um restaurante às 2h da manhã e não me senti preocupada em momento algum. É um país extremamente seguro.

shibuya_cruzamento_tokyo

Madrugada no cruzamento de Shibuya, em Tokyo (Foto: Viagem no Detalhe)

➦ Gastronomia

Não se engane achando que você vai comer apenas peixe cru na sua viagem para o Japão. A gastronomia japonesa vai muito além disso e, às vezes, achei até difícil encontrar sushi, por exemplo, pelas ruas do país. É que o mais comum é ter restaurantes específicos para comer a iguaria (tipo sushi bar), então, nem sempre num restaurante de comida japonesa típica, você encontrará sushi no cardápio.

prato_tipico_japao

Uma típica refeição japonesa (Foto: Viagem no Detalhe)

restaurante_gyosa_tokyo_japao

Opções em restaurante típico de gyosa, em Tokyo (Foto: Viagem no Detalhe)

➦ Ryokan

Se hospedar num ryokan (típica hospedaria japonesa) é uma das experiências mais imperdíveis do Japão. Lá, é possível dormir em um futon, experimentar um banho termal no onsen, tomar o tradicional café da manhã japonês e se sentir de volta ao Japão de antigamente, vivendo mais de pertinho sua cultura milenar. Eu escolhi ter essa experiência em Kyoto e AMEI!

ryokan_kyoto_japao

Nosso quarto no ryokan (Foto: Viagem no Detalhe)

cafe_da_manha_ryokan

Café da manhã típico japonês no ryokan (Foto: Viagem no Detalhe)

Se você puder fazer esse investimento na sua viagem, recomendo de olhos fechados!

➦ Onsen

Onsen são os banhos termais típicos japoneses. As partes de homem e mulher são separadas e é preciso entrar totalmente nu.

regras_onsen_banho_japones

Regras do Onsen do nosso Ryokan (Foto: Viagem no Detalhe)

Funciona da seguinte maneira: você entra num ante-sala, aonde deixa sua roupa, toalha e pertences e passa a parte do banho. Lá, há vários banquinhos com chuveiros e bacias individuais, aonde você deve se banhar para estar totalmente limpo antes de entrar no ofurô termal abastecido com água da montanha.

onsen_banho_japones_kyoto

Interior do Onsen (Foto: Viagem no Detalhe)

A ideia toda pode parecer estranha para o nosso padrão de cultura ocidental, mas confesso que amei minha experiência no Onsen. Depois que você acostuma (e, para mim, não foi difícil, pois, todas as vezes que fui no onsen, estava sozinha), é uma delícia se banhar naquela água terapêutica e quentinha!

➦ Custos

Uma das perguntas que mais recebi no Instagram do Viagem no Detalhe foi se essa viagem era excessivamente cara. Não vou mentir: viajar para o Japão não é barato! Com certeza, foi uma das viagens mais caras que já fiz. Mas isso não quer dizer que seja impossível viajar para lá. Com um pouquinho de planejamento, dá pra ir! Algumas dicas:

  • Passagem: o primeiro passo é focar em conseguir uma passagem na promoção, porque esse é, sem dúvidas, um do custos mais altos da viagem. Coloque alerta em sites de passagens aérea, acompanhe os aplicativos do Melhores Destinos e  do Passagens Imperdíveis e fique de olho;
  • Compre o JR Pass antes da sua viagem, como disse no tópico anterior desse post, especialmente se desejar conhecer muitas cidades;
  • Hotéis: foque em hotéis com bom custo x benefício, priorizando sempre a localização, em geral os que ficam perto da estação de trem. A estação de trem no Japão é tipo um shopping, com lojas, restaurantes etc. e geralmente fica em boas localizações. Se você estiver ainda mais no foco da economia, se hospedar num hotel cápsula pode ser uma boa ideia;
  • Passeios: os passeios mais caros são templos (mas nem todos cobram entrada) e castelos/palácios, mas há muitos passeios gratuitos por lá.
  • Comida: Apesar do Japão ter excelentes restaurantes, pra quem quer economizar nesse quesito, é possível optar pelas bento boxes de comida japonesa que vendem lá por toda parte;
  • Deslocamentos: foque em usar seu JR pass e, quando não for possível, opte por transporte público. Como já disse aqui, o táxi é bem caro por lá e o transporte público funciona super bem!

***

hospedagem_templo_budista_koyasan

Jantar vegano, em templo budista do Koyasan (Foto: Viagem no Detalhe)

Espero que vocês gostem de acompanhar as dicas de mais essa viagem, que se tornou uma das minhas favoritas da vida! No próximo post, conto sobre como foi minha estadia em Tokyo, a primeira cidade que visitei nesse roteiro 🙂

Obrigada pela visita!

Beijos,

Camilla

Acompanhe minhas viagens em tempo real pelo Instagram >>@viagemnodetalhe

Compartilhe!
Deixe seu Comentário
 
3 Comentários
  1. […] Japão, passei pelas cidades de Tokyo, Kyoto, Hiroshima, Myiajima, Himeji, Osaka, Nara e Koyasan (clique aqui para conferir o post com meu roteiro completo por lá). Ainda não consegui escrever posts individuais sobre todos os lugares visitados, mas, em […]

  2. […] Vencedor: Pabu Izakaya. Este bar japonês tem um lugar cativo no nosso coração (e estômago também… rs), por ser muito fiel aos lugares que visitamos no Japão em uma de nossas viagens de 2018! […]

  3. […] cidades que passei na minha viagem pelo Japão (veja aqui o roteiro completo), Kyoto era a que eu mais ansiava por conhecer. Realmente, Kyoto é incrível e […]

Lugares que já visitei
Instagram: @viagemnodetalhe