Osaka: roteiro de 2 dias na capital do agito japonesa
Ásia Japão Nara Osaka

Osaka: roteiro de 2 dias na capital do agito japonesa

Por Camilla Ribeiro    Postado em 05.09.2019

Quando comecei a organizar meu roteiro pelo Japão, confesso que Osaka não estava nos meus planos. Considerava até fazer um bate e volta até lá, mas não me hospedar na cidade. Acabei mudando de ideia e incluir a segunda maior cidade do país no meu roteiro se provou uma decisão bastante acertada!

Castelo de Osaka, o cartão postal local (Foto: Viagem no Detalhe)

Explico: Osaka era a melhor base de acesso para Koyasan, cidade que visitaria na sequência da minha viagem pelo Japão. Além disso, é próxima de Nara – outro lugar que fazia questão de visitar – e oferece um agito noturno gostoso, que, mesmo se você não for da balada, vale a pena conferir.

A belíssima cidade de Nara (Foto: Viagem no Detalhe)

Os dois dias que passei lá foram animados e perfeitos para explorar com calma a cena gastro-etílica da cidade e curtir o lifestyle local, muito mais relaxado e muito menos contido – na minha opinião – do que o das demais cidades do Japão que visitei. Nesse ponto, posso até dizer que Osaka surpreende por ser um pouco “bagunçada”, algo tão incomum no país. Mas compensa em personalidade, sendo impossível não se deixar seduzir pelas luzes brilhantes de Dotonbori.

Dotonbori, a região mais animada de Osaka (Foto: Viagem no Detalhe)

// Como chegar?

Eu fui para Osaka de Hiroshima, usando o trem bala. A viagem dura cerca de 2h e você não precisa reservar a passagem com antecedência (os trens são frequentes e você pode simplesmente chegar um pouco antes na estação e escolher o próximo trem).

Como já comentei nesse post aqui, eu comprei o JR Pass, passe que permite livre acesso às linhas de trens JR, que inclui o trem bala, pela quantidade de tempo escolhida por você.

// Quanto tempo ficar?


Em um dia é super possível matar as principais atrações de Osaka, mas como a cidade tem uma noite animada, vale a pena dormir lá pelo menos um dia para conhecer esse seu lado.

Eu fiquei lá dois dias inteiros e achei uma ótima quantidade de tempo. Deu para conhecer bem a cidade, fazer um bate e volta para Nara – a famosa cidade dos cervos -, além de curtir 2 noites, em pleno Halloween!

Halloween em Osaka (Foto: Viagem no Detalhe)

//Onde se hospedar?

Eu me hospedei num bairro chamado Namba, no Hotel Interlinks Namba. O hotel era simples, mas organizado e limpo, a localização era boa, razoavelmente próxima à Dotonbori street, que acredito ser o principal ponto de interesse que você deve focar na hora de buscar um hotel por lá, e da estação de trem.

Quarto do hotel Interlinks Namba (Foto: Divulgação)

Apesar de ter sido um dos hotéis que menos me chamou atenção nessa viagem, recomendo a hospedagem lá pelo bom custo x benefício (lembrando que hospedagem no Japão não é barato!), serviço honesto e boa localização. Reserve aqui (sem custo adicional) sua hospedagem no Hotel Interlinks Namba. Se preferir, pesquise aqui outras opções de hotel em Osaka.

//O que fazer?

➦ Yasaka shrime – desde que vi pela primeira vez a foto desse pequeno templo xintoísta, no Instagram, cismei que precisava ir lá! Sou dessas… rs. O lugar parece ter o curioso formato de um dragão, mas, na verdade, trata-se do shishi, um cachorro guardião do templo.

O Yasaka shrime ficava bem perto do meu hotel e a visita foi super rapidinha, mas valeu a pena! Achei bem impressionante o templo e bacana visitá-lo, por ser fora da rota turística.

O curioso templo de Yasaka (Foto: Viagem no Detalhe)

Castelo de Osaka – é o símbolo da cidade e seu principal ponto turístico. Já foi casa de imperadores, sofreu diversas guerras e incêndios e, atualmente, é um museu que conta um pouco sobre a história do Japão.

A arquitetura do Castelo de Osaka é linda (Foto: Viagem no Detalhe)

Apesar da arquitetura ser belíssima (e render lindas fotos), confesso que, para mim, foi a decepção da viagem! Quem acompanha o blog há um tempo sabe o quanto eu amo (e não dispenso!) um museu, mas achei esse absolutamente entediante – não existe uma narrativa dos fatos históricos coesa e tampouco qualquer dinamismo ou interatividade.

Detalhes do castelo (Foto: Viagem no Detalhe)

Em algumas partes, o museu chega mesmo a ser tosco, se valendo de animações de gosto duvidoso pra contar sua história. Enfim… realmente não curti, mas sendo o cartão postal da cidade (e uma verdadeira joia arquitetônica), deixo a você a escolha de incluir a visita ao interior do castelo ou não no seu roteiro 😉 Ah, lá de cima, é possível apreciar a vista panorâmica da cidade.

Umeda Sky Bulding – se o interior do castelo de Osaka foi decepcionante, o Umeda Sky building foi uma agradável surpresa! Esse prédio fica na parte mais moderna da cidade e possui um observatório com uma vista de tirar o fôlego de Osaka!

O conceito arquitetônico do Umeda Sky é super bacana: são duas torres, ligadas por escadas rolante “a céu aberto” (tecnicamente, as escadas são fechadas, dentro de um “tubo de vidro”, mas tem vista durante todo o percurso).

Vista de Osaka do topo do Umeda Sky (Foto: Viagem no Detalhe)

Recomendo assistir ao pôr do sol de lá (há uma cafeteria e um restaurante no prédio) para poder admirar a cidade ainda clara e, depois, toda iluminada, ao anoitecer.

Dotonbori – essa região, que fica nos entornos do Rio Dotonbori, mais parece uma versão japonesa da Times Square! São vários outdoors brilhando, com destaque para o famoso Glico – da marca de doces homônima, que mostra a figura de um homem correndo e está lá desde 1935. Pode parecer estranho, mas esse outdoor em específico é um dos símbolos da cidade e as pessoas fazem fila pra tirar foto com o Glico. Na dúvida, faça igual e garanta seu clique também! Rs

O agito de Dotonbori (Foto: Viagem no Detalhe)

Dotonbori tem várias lojas, bares e restaurantes. É aonde tudo acontece na noite de Osaka! Vale a pena perambular sem rumo, se divertir com o inusitado local e pular de bar em bar.

Amigos que fizemos pelos bares de Osaka rs (Foto: Viagem no Detalhe)

Eu aproveitei que o clima estava ainda mais animado na cidade, por causa do Halloween, e fiz uma verdadeira baratona na região, nas duas noites que passei lá! Pena que acabei não registrando o nome da maior parte dos lugares em que parei, depois de tanto sakê… rs. Mas a dica é procurar na rua do rio os lugares que mais curtir e ir parando.

Bate e volta para Nara – a cidade de Nara, localizada a aproximadamente 30 km de Osaka, já foi capital do Japão no passado e é famosa por ser cheia de cervos, que passeiam livremente por suas ruas, praças e templos. O lugar é um charme e transmite uma verdadeira sensação de volta ao passado – foi uma das minhas partes favoritas do meu roteiro!

Abaixo, você encontra dicas do que fazer em um dia em Nara.

Os cervos que se tornaram símbolo de Nara (Foto: Viagem no Detalhe)

Templo Kofukuji – esse complexo budista é um dos oito Monumentos Históricos da Antiga Nara, além de ser classificado como Patrimônio Mundial da UNESCO.

Atualmente, o complexo é formado por mais de 10 construções, sendo que o Pagode de Cinco Andares (da foto do início do post) é um dos principais cartões-postais da cidade. Lá dentro, merecem destaque o Museu do Tesouro Nacional de Kofukuji, o Hall Dourado, o Pagode de Três Andares, o Hall Octagonal e o Hall Central.

Parte do complexo de Kofukuji (Foto: Viagem no Detalhe)

Parque de Nara – ocupando boa área da cidade, nesse parque você irá avistar um enorme concentração de cervos. Uma bela oportunidade de admirar e interagir (com respeito e cuidado, vale dizer) com os animais.

No parque de Nara, há diversas barraquinhas, vendendo biscoito para os turistas alimentarem os cervos. Mas recomendo cuidado, pois vi várias pessoas “atiçando” os bichinhos com o biscoito e sendo mordidas!!

Como não se apaixonar por essas fofuras? (Foto: Viagem no Detalhe)

Templo Todaji – conhecido como o Grande Templo do Leste, esse templo budista é o principal da cidade e o maior prédio de madeira do mundo! Sua construção remonta à época que Nara foi capital do Japão, em 752. Dentre as muitas joias de seu interior, merece destaque o Grande Buda Daibutsu, feito em bronze.

Todaji, o principal templo de Nara (Foto: Viagem no Detalhe)

Arredores do Templo Todaji – nos entornos desse templo, há diversos subtemplos e santuários conexos. Vale a pena dedicar algum tempo à região para explorar com calma cada cantinho de paz que existe por lá.

A bela paisagem de Nara (Foto: Viagem no Detalhe)
Imersão nos rituais locais (Foto: Viagem no Detalhe)

Templo Kassuga Taisha – esse foi meu templo favorito de Nara (e um dos meus favoritos de toda a viagem). O Kassagu Taisha foi classificado como Patrimônio da Humanidade pela Unesco e se destaca por possuir aproximadamente 2 mil lanternas.

Todo o caminho que conduz até o templo é repleto delas e, no seu interior, também há diversas lanternas de bronze penduradas. O resultado é incrível!

E entre as lanternas…tinha mais um cervo! (Foto: Viagem no Detalhe)
Impressionante a beleza desse templo! (Foto: Viagem no Detalhe)

Dentro do templo, há uma sala toda escura e cheia de espelhos, apenas iluminada pelas diversas lanternas penduradas no teto. Não deixe de entrar, é simplesmente mágico!

O templo mais mágico de Nara, na minha opinião (Foto: Viagem no Detalhe)

Je et Nous – não é ponto turístico, mas sim uma lojinha LINDA, que só vende coisas de cervo! Achei tudo tão fofo e charmoso, que não poderia deixar de recomendar um pit stop por lá. Comprei várias coisas na Je et Nous: necessaire, colar, anel, postais… vale a pena conhecer!

A fachada da Je et Nous (Foto: Viagem no Detalhe)

//Onde Comer?

Yakiniku M Dotonbori – Esse talvez seja o restaurante mais famoso de Osaka e, apesar de essa dica já estar bem difundida entre os turistas, jantar lá ainda é um must go. O Wagyu da região de Matsubara, um tipo de carne extremamente nobre, é uma das especialidades da casa.

O restaurante funciona com grelhas na mesa, aonde você mesmo faz a sua carne (tipo um churrasco em forma de fondue rs). Os cortes são escolhidos no menu, assim como os acompanhamentos (não deixe de pedir o arroz de alho – é o melhor da vida!!) e chegam identificados na mesa, com a tradicional bela apresentação japonesa.

Enfim, é uma experiência que vale muito a pena, tanto gastronomicamente, como pela diversão! É imprescindível reservar com antecedência, o que pode ser feito no site do próprio restaurante.

Endereço: 7-17 Soemoncho, Chuo-ku, Osaka

Scones – essa charmosa bakery de Nara também merece menção. Foi lá que tomei café da manhã, no dia que visitei a cidade, e curti muito o local. Os scones (tipo um muffin) são deliciosos e a casa, muito aconchegante.

***

Osaka foi uma bela inclusão no meu roteiro. Gostei muito de poder conhecer com calma a cidade, curtir sua “loucura” e também amei Nara! No próximo post (último dessa série sobre o Japão), conto sobre como foi minha experiência em Koyasan, me hospedando dentro de um templo budista!

Obrigada pela visita!

Beijos, Camilla

Acompanhe minhas viagens em tempo real pelo instagram >> @viagemnodetalhe

Se você gosta das dicas do blog, ajude na sua manutenção, reservando seus hotéis e pousadas pelos links daqui. Isso não aumenta em nada o valor da sua reserva e gera um percentual revertido para o blog 

Compartilhe!
Deixe seu Comentário
Lugares que já visitei
Instagram: @viagemnodetalhe