Roteiro de 3 dias em Luang Prabang
Ásia Laos Luang Prabang

Roteiro de 3 dias em Luang Prabang

Tudo que você precisa saber sobre a cidade mais turística do Laos
Por Camilla Ribeiro    Postado em 15.02.2020

Eu sempre sonhei em conhecer o Laos. Um sonho meio inexplicável que começou desde a primeira vez que vi fotos de Luang Prabang. Não sei por que, mas sentia uma paz inexplicável vendo qualquer imagem da cidade, sentia algo em meu coração. Quando cheguei lá, entendi: o Laos é especial.

A incrível cachoeira turquesa Kuang Si (Foto: Viagem no Detalhe)
O Palácio Real de Luang Prabang (Foto: Viagem no Detalhe)

Logo ao chegar no país, você já sente o tempo desacelerar e é uma verdadeira benção estar em um lugar em que o consumo desenfreado e o uso exacerbado da tecnologia parecem não ser o foco da sociedade. Luang Prabang é uma cidade linda, calma, organizada e com uma energia sem igual.

O Laos talvez seja o segredo mais bem guardado do Sudeste Asiático. Em vários momentos dessa viagem, me perguntava como era possível que um lugar tão incrível como aquele ainda não fosse superpopulado pelo turismo de massa.

O emocionante ritual da Ronda das Almas (Foto: Viagem no Detalhe)

Se você nunca pensou em conhecer o país, espero que mude de ideia ao ler esse post. O Laos é uma grata surpresa e, uma vez lá, duvido que você não vá se apaixonar!

// COMO CHEGAR?

Não há voos diretos do Brasil para o Laos. Eu cheguei no país, vinda do Camboja (veja aqui todas as minhas dicas de Siem Reap e Krabey Island), voando pela low coast Lao Airlines.

O voo fez uma escala (que não aparecia na passagem originalmente) no aeroporto de Pakse, onde todos os passageiros desceram para fazer a imigração. Fiquei impressionada com como tudo era arcaico. Os funcionários da polícia federal registravam por escrito, em livros, os dados dos passageiros! Isso já dá, logo de cara, uma mostra da volta ao tempo que uma viagem ao Laos simboliza.

Carro antigo no centrinho da cidade (Foto: Viagem no Detalhe)

// DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

Além de passaporte válido por 6 meses, é obrigatório ter certificado de vacina contra febre amarela. Brasileiros também precisam de visto para entrar no Laos.

O visa on-arrival do Laos é solicitado, assim que se desce do avião, bastando preencher uma ficha de imigração, apresentar o passaporte válido ao funcionário, 1 foto 3×4 e pagar o valor de USD$30 (valor de out/2019).

Apesar de não ser obrigatório ter seguro viagem para viajar para o Laos, não recomendo que você vá para o outro lado do mundo sem ter um! Eu sempre consulto o site do Seguros Promo para pesquisar e fechar o meu – recomendo!

// QUANDO IR?

É possível viajar para o Laos em qualquer época do ano. O mais recomendado é visitar o país entre novembro e janeiro, quando o tempo é mais agradável e ameno. Eu fui em novembro e peguei um tempo ótimo por lá.

De maio a outubro é o período mais chuvoso e menos recomendado para visitar o país.

// QUANTO TEMPO FICAR?

Eu fiquei 3 dias em Luang Prabang (veja aqui meu roteiro completo nessa viagem pelo Sudeste Asiático), que é a quantidade de tempo perfeita para conhecer os principais pontos turísticos. Mas gostei tanto da cidade que teria fica uma semana lá, só para descansar e recarregar as energias!

// ONDE SE HOSPEDAR?

Em Luang Prabang, escolhi me hospedar no Belmond la Residence Phou Vao, a espetacular propriedade do grupo Belmond no Laos. O Hotel ocupa uma área enorme, cercada pela natureza, e que conta com uma vista incrível da cidade.

O visual do Belmond la Residence Phou Vao (Foto: Viagem no Detalhe)
Mimos de boas vindas no Belmond la Residence Phou Vao (Foto: Viagem no Detalhe)

Os quartos do hotel são super amplos e confortáveis. O único ponto que merece crítica é o chuveiro do banheiro, que tem potência fraca e não condiz com o padrão de qualidade do hotel. Mas não é nada que mereça desconsiderar a hospedagem no Belmond la Residence Phou Vao.

Nosso quarto no hotel (Foto: Viagem no Detalhe)
O banheiro do nosso quarto (Foto: Viagem no Detalhe)
A agradável varanda do quarto (Foto: Viagem no Detalhe)

Um dos grandes destaques do hotel é a piscina de borda infinita, que se descortina para o belo visual de Luang Prabang!

Também não posso deixar de mencionar o café da manhã, que é excelente, servido de frente para a piscina. O buffet é super farto, com produtos locais e fresquíssimos, além de algumas opções preparadas na hora. Merecem destaque o iogurte de coco (queria ter trazido umas garrafas para o Brasil! rs) e o bolinho de coco, uma especialidade local de encher a boca d’água!

Café da manhã inesquecível do Belmond la Residence Phou Vao (Foto: Viagem no Detalhe)

Outra coisa que achei gostosa no hotel foi um cantinho com fogueira e marshmallow. Nos divertimos muito lá, uma noite, assando doces e bebendo vinho, antes de voltar para o nosso quarto!

Uma noite de vinho e marshmallow (Foto: Viagem no Detalhe)

O hotel fica um pouco afastado do centrinho. Mas nada que 20 minutos de caminhada ou 5 minutos de tuk tuk não resolvam. Recomendo de olhos fechados a hospedagem lá!

Reserve aqui (sem custo adicional) sua estadia no Belmond la Residence Phou Vao.

Para quem busca uma opção charmosa e mais bem localizada, recomendo o 3 Nagas, hotel do portfólio MGallery by Sofitel, que fica no coração do centrinho de Luang Prabang. Almocei no restaurante do 3 Nagas um dia (conto sobre a experiência mais a frente, nesse post) e pude dar uma espiada no hotel. Pareceu uma excelente opção!

Arquitetura colonial e cheia de charme do 3 Nagas (Foto: Divulgação)
Quarto do hotel 3 Nagas (Foto: Divulgação)

Reserve aqui (sem custo adicional) sua estadia no 3 Nagas.

// O QUE FAZER?

 Kuang Si Falls – É a maior e mais conhecida cachoeira do Laos e um dos lugares mais lindos que já visitei! Kuang Si Falls se tratam, na verdade, de um complexo de cachoeiras de água azul turquesa de doer os olhos, localizado a aproximadamente 30 km do centro de Luang Prabang.

Kuang Si Falls, a cachoeira mais linda do país (Foto: Viagem no Detalhe)
A cor da água dessa cachoeira é inacreditável! (Foto: Viagem no Detalhe)

Minha dica é combinar ida e volta com um tuk tuk do centro da cidade e o tempo de espera. Assim, você fica mais livre para aproveitar no seu ritmo. Eu negociei o deslocamento para Kuang Si Falls por USD 20, com um tuk tuk, esperando 2 horas por lá. Mas, teria ficado mais 1 horinha ainda, porque realmente amei o lugar – é lindo demais!!

Além de admirar as belas cascatas turquesas, vale muito a pena dar um mergulho nas áreas onde o banho é permitido. A água é gelada, mas revigorante, especialmente num dia quente!

É claro que eu mergulhei nas Kuang Si Falls! (Foto: Viagem no Detalhe)

Dentro do complexo, além das cachoeiras, você vai encontrar trilhas, área para banho, diversas quedas e, ainda, uma área de preservação de ursos!

Ursos no complexo de Kuang Si Falls (Foto: Viagem no Detalhe)

Ronda das Almas (“Tak Bat”) – todos os dias, antes do nascer do sol, os monges budistas de Luang Prabang saem às ruas em fila indiana, para coletar ofertas de comida, em uma cerimônia emocionante. Eles saem dos diversos templos da cidade e se concentram na Rua Sisavangvong, onde as pessoas ajoelhadas nas calçadas, aguardam o momento de fazer a sua oferenda.

Ainda escuro em Luang Prabang (Foto: Viagem no Detalhe)

Apesar de ter se tornado bastante turístico, com o passar do tempo, a simbologia da ronda das almas é linda e o ritual, emocionante. Fiquei feliz de, após assistir a ronda, no caminho de volta para o meu hotel (onde tirei uma soneca antes do café da manhã hehe), descobrir que, em uma outra rua, zero turística, acontecia uma versão mais “raiz” da ronda das almas, sem turistas participando.

A emocionante cerimônia da Ronda das Almas (Foto: Viagem no Detalhe)

Se você deseja assistir ao ritual, é preciso chegar bem cedo, por volta de 5:30h. Além disso, é fundamental respeitar a cerimônia: vestir-se apropriadamente de acordo com a religião local, não ficar muito perto dos monges e não usar flash nas fotos. Há, inclusive, placas espalhadas pela cidade, indicando “boas maneiras”, durante o ritual.

Boas maneiras para participar da Ronda das Almas (Foto: Viagem no Detalhe)

Palácio Real – Originalmente construído a mando do Rei Sisavangvong, em 1904, o local serviu de casa para a família real até a morte do monarca.

Atualmente, o Palácio Real é um museu, com os cômodos antigamente ocupados pela família e seus objetos religiosos, de arte, esculturas e outros artefatos. Lá dentro, não é permitido tirar fotos.

O complexo do Palácio Real de Laos (Foto: Viagem no Detalhe)

Para visitar o local, fique atento ao horário de funcionamento (de quarta a segunda-feira,das 8:30h às 10:30h e das 14h às 16h) e ao dress code (é preciso cobrir ombros e joelhos).

Wat Xieng Thong (Monastério da Cidade de Ouro) – Luang Prabang possui centenas de templos e esse, sem dúvidas, é um dos mais lindos deles, com seus telhados duplos e triplos, suas pinturas de ouro e seus mosaicos de vidro multicoloridos.

O belíssimo templo Wat Xieng Thong (Foto: Viagem no Detalhe)
Detalhe dos mosaicos de vidro multicolorido (Foto: Viagem no Detalhe)

O monastério foi construído em 1560 (!) e, além do templo principal, conta com vários outros templos menores, num complexo religioso que transpira paz e tranquilidade.

Buda deitado do templo (Foto: Viagem no Detalhe)

Um dos destaques da arquitetura do complexo é a árvore da vida feita em mosaico de vidro colorido, na parede de um dos templos. Reza a lenda que dois eremitas colocaram a primeira pedra do templo junto a uma árvore dessa, daí o motivo da homenagem.

A bela árvore da vida representada no templo (Foto: Viagem no Detalhe)

Wat Mai Suwannaphumaham – Conhecido como Novo Monastério, esse templo foi fundado pelo Rei Anourout, em 1796, e renovado em 1821 pelo Rei Manthatourat. É o maior templo da cidade e, de lá, saem muitos dos monges que participam da Ronda das Almas.

Detalhes em ouro nas paredes do templo (Foto: Viagem no Detalhe)
Pátio exterior, com representações budistas (Foto: Viagem no Detalhe)

Monte Phou Si – É uma colina de 100m de altura, de onde se tem uma vista panorâmica de Luang Prabang. Para chegar lá em cima, é preciso subir três longas escadarias (a subida é de nível fácil). No topo do monte, há um pequeno templo budista e uma bela vista da cidade! É um ótimo lugar para assistir o pôr do sol também.

No topo do Monte Phou Si (Foto: Viagem no Detalhe)
A escadaria que leva ao topo do morro (Foto: Viagem no Detalhe)
Vista panorâmica de Luang Prabang, lá de cima (Foto: Viagem no Detalhe)

Caminhar à beira do rio Mekong – o rio Mekong, um dos mais importantes da Ásia, banha a cidade de Luang Prabang. Caminhar por sua margem é sempre um passeio interessante. Você vai se deparar com belas paisagens vegetativas, barcos, pescadores e alguns restaurantes simpáticos. Um dos mais recomendados é o descontraído bar Utopia. Não tive tempo de ir, mas acredito que valha a pena passar lá para tomar uma cerveja e curtir o visual.

Ponte que é construída e destruída todos os anos pelas monções (Foto: Viagem no Detalhe)

Cruzeiro no rio Mekong – para quem deseja uma experiência de maior imersão no Mekong, uma opção interessante é fazer um cruzeiro, no pôr do sol. Eu contratei o passeio diretamente com o meu hotel, o Belmond la Residence Phou Vao, e gostei bastante (com a única ressalva de que durou 1 hora a menos do que originalmente programado). Minha única falta de sorte, no passeio, foi ter pegado um dia nublado, então, não teve pôr do sol…rs

Cruzeiro no rio Mekong (Foto: Viagem no Detalhe)

O barco do Belmond era super confortável e, durante o passeio, foram servidas comidinhas, cerveja e bebidas não alcoólicas. Observar a bela paisagem do rio, deitado no barco e sentindo a brisa e a paz de Luang Prabang é uma delicia!

O barco do Belmond (Foto: Viagem no Detalhe)
Nossa vista durante o passeio (Foto: Viagem no Detalhe)

Mercado noturno – os mercados noturnos da Ásia costumam ser uma grande confusão, mas Luang Prabang traz sua aura de paz até nesse quesito! O mercado noturno da cidade é super organizado e tranquilo. À noite, percorrer as barraquinhas montadas, que oferecem todo tipo de produto, é um passeio bem interessante – e é possível fazer alguns ótimos achados! O mercado começa a ser montado no pôr do sol e dura até aproximadamente 23h.

O organizado mercado noturno (Foto: Viagem no Detalhe)
Clima descontraído na noite da cidade (Foto: Viagem no Detalhe)

Bater perna no centrinho – o centrinho de Luang Prabang é um charme!! Cheio de lojinhas interessantes, bares, restaurantes, cafés e casas de massagem. A herança colonial francesa pode ser vista na arquitetura de várias construções. É uma delícia bater perna por lá e fazer várias descobertas pelo caminho.

O charmoso centrinho de Luang Prabang (Foto: Viagem no Detalhe)
Muitos restaurantes simpáticos no caminho (Foto: Viagem no Detalhe)

Relaxar com uma boa massagem – como boa parte dos países asiáticos, o Laos também é famoso por ter ótimas casas de massagem, com bom custo x benefício. A prática relaxante é inerente à cultura local e super popular! Eu experimentei a massagem nos pés do Jasmine Massage & Spa e adorei!

Relaxando com uma massagem nos pés 🙂 (Foto: Viagem no Detalhe)

// ONDE COMER?

Mountain Terrace – restaurante do hotel Belmond La Residence Phou Vao, mas também aberto a não hóspedes. Além do ambiente romântico e aconchegante, a gastronomia do Mountain Terrace, baseada em ingredientes locais, também chama atenção.

Jantar romântico no Mountain Terrace (Foto: Viagem no Detalhe)

O cardápio oferece opções à la carte e menu degustação. Eu recomendo fortemente que escolha o último e aproveite a imersão na culinária do Laos, através dos pratos deliciosos e sofisticados do restaurante. Uma experiência gastronômica incrível!

 Tamarind – a proposta da casa é mostrar um pouquinho dos sabores e aromas do Laos, através de pratos e experiências locais (é possível, por exemplo, agendar uma ida ao mercado de rua ou fazer uma aula de culinária com eles). Os preços no Tamarind são atrativos e os pratos, bem servidos e deliciosos, não é à toa que esse é o restaurante mais recomendado da cidade.

Provando a culinária local no Tamarind (Foto: Viagem no Detalhe)

Nós pedimos um menu especial de introdução à culinária do Laos – com welcome drinks, varias porções de pratos locais e sobremesa (aprox. 24 USD para 2 pessoas). Aprovadíssimo!

Recomendo reservar, porque o restaurante é super procurado e lota!

3 Nagas – é o restaurante do hotel homônimo, do grupo MGallery by Sofitel. Localizado na rua principal do centrinho de Luang Prabang, o restaurante oferece culinária local num ambiente aberto e super agradável. Almocei lá um dia e pedi um dos especiais, que vem com várias pequenas porções de pratos locais – uma delícia!

Prato com várias delícias locais, no 3 Nagas (Foto: Viagem no Detalhe)

Maolin Tavern – Fui nessa taverna um dia à noite e adorei o clima descontraído e os petiscos. Destaque para a linguicinha local, que é deliciosa!

O ambiente descontraído do Maolin Tavern (Foto: Viagem no Detalhe)
Petiscos no Maolin Tavern (Foto: Viagem no Detalhe)

Tangor – Fui lá para esse barzinho para uma saidera, depois de comer no Maolin (que fica bem ao lado). Tomei uma taça de vinho e Leandro, uma cerveja. O clima de lá é bem gostoso.

Saidera no Tangor (Foto: Viagem no Detalhe)

Café de Laos – cantinho super simpático para tomar um café. Aliás, o Laos, com sua herança colonial francesa, é cheio de cafeterias charmosas. O Café de Laos se orgulha de servir os melhores grão do país. Vale a pena experimentar.

Pausa para um café no charmoso Café de Laos (Foto: Viagem no Detalhe)

***

Luang Prabang era um sonho antigo e, conhecer a cidade foi, não só uma realização, mas descobrir, na prática, que minha intuição sobre o Laos estava correta: que país incrível!

Esse foi o último post da série sobre meu roteiro pelo Sudeste Asiático. Se você perdeu algum post, não deixe de conferir: as dicas de Singapura, Malásia, Krabey Island e Siem Reap, que já rolaram por aqui.

Obrigada pela visita!

Beijos,

Camilla

Acompanhe minhas viagens em tempo real pelo Instagram >>@viagemnodetalhe

Se você gosta das dicas do blog, ajude na sua manutenção, reservando seus hotéis e pousadas pelos links daqui. Isso não aumenta em nada o valor da sua reserva e gera um pequeno percentual revertido para o blog 😉

Compartilhe!
Deixe seu Comentário
 
2 Comentários
  1. […] próximo post conto sobre meu roteiro em Luang Prabang, a cidade mais turística do Laos, minha favorita nesse roteiro pelo Sudeste Asiático – confira! […]

  2. […] Senses Krabey IslandDia 8 a 10 – Siem Reap, CambojaHotel: Shinta Mani ShackDias 11 a 13 – Luang Prabang, LaosHotel: Belmond La Résidence Phou VaoDias 14 e 15 – SingapuraHotel: YOTEL Singapore […]

Lugares que já visitei
Instagram: @viagemnodetalhe