Roteiro de 4 dias em Santo André: paraíso do sossego, no sul da Bahia
Bahia Brasil Santo André

Roteiro de 4 dias em Santo André: paraíso do sossego, no sul da Bahia

Por Camilla Ribeiro    Postado em 11.01.2020

No segundo dia de 2020 embarquei para minha primeira viagem do ano: fui conhecer Santo André, um pacato vilarejo localizado no sul da Bahia.

Santo André ficou mais conhecido quando a seleção da Alemanha se hospedou lá, durante a Copa do Mundo de 2014. Mesmo assim, ainda mantem uma áurea de tranquilidade inacreditável. A praia tem baixíssima densidade demográfica, você anda, anda, e encontra meia dúzia de pessoas. Nunca achei que fosse, a essa altura da minha vida de viajante, encontrar um lugar assim, tão calmo e intocado, no litoral baiano.

A tranquila praia de Santo André (Foto: Viagem no Detalhe)
Banho de rio na praia do Guaiú (Foto: Viagem no Detalhe)
Praia das Tartarugas, minha favorita! (Foto: Viagem no Detalhe)

O vilarejo é aquele segredo que dá até um aperto no coração de revelar. Quem vai o guarda para si, com a intenção de não espalhar muito a dica do paraíso escondido. Mas eu, como boa blogueira e entusiasta da descoberta de novos destinos, não poderia jamais deixar de compartilhar as dicas de Santo André por aqui.

Dias de muito sossego e leitura, em Santo André (Foto: Viagem no Detalhe)
Entardecer no rio do vilarejo (Foto: Viagem no Detalhe)

Espero que você se encante tanto quanto eu e coloque o destino na sua listinha de desejos. Quer um motivo? Posso dar logo 3: é lindo, é fácil de chegar e é acessível. E aí, tá esperando o que?! 😀

// COMO CHEGAR?

O jeito mais prático de chegar a Santo André é voando até o aeroporto de Porto Seguro. Saindo do aeroporto, é preciso percorrer um trecho de carro + balsa, de aproximadamente 30km no total, para chegar ate o vilarejo.

Se você quer ter mais liberdade e planeja explorar Santo André e arredores, pode ser interessante alugar um carro, na saída do aeroporto. Eu sempre pesquiso e alugo pelo site Rentalcars.

Nós contratamos um táxi para nos buscar no aeroporto e levar até Santo André, ele cobrou R$ 180 (valor de jan/2020) por trecho, já com o ticket da balsa incluído. O contato do taxista que nos levou e buscou é: Gilson – (73) 99806-1563 ou (73) 99911-4736.

Ah, se você optar por fazer o percurso por conta própria, de carro, vale ficar atento aos horários da balsa. Apesar de funcionar 24h, os horários de saída (que, durante o dia, são de 30 em 30 minutos) passam a ser mais espaçados, a partir das 18h.

// QUANTO TEMPO FICAR?

Não tem mínimo nem máximo. Para entrar no clima, 3 dias inteiros me parece uma boa quantidade de tempo. Mas, se a ideia é descansar, quanto mais tempo, melhor. 

Dias de descanso nunca são demais, né?! (Foto: Viagem no Detalhe)

Vale lembrar que o sul da Bahia tem muitos lugares incríveis, que você pode aproveitar para também conhecer nessa viagem, como Trancoso, Arraial d’Ajuda, Caraíva, Praia do Espelho etc.

// QUANDO IR?

No sul da Bahia, em geral, as chuvas são muito bem distribuídas ao longo do ano. Ou seja, é possível visitar a região o ano todo, pois sempre há chance de pegar tempo bom (ou não rs).

Em tese, as épocas mais chuvosas do ano são os meses de abril, julho e outubro, mas já estive na região nesse período e não peguei chuva. Então, vai da sorte – na minha opinião, sempre vale arriscar!

// ONDE SE HOSPEDAR?

Antes de falar sobre os hotéis, propriamente, é preciso explicar um pouco da geografia local.

Santo André é um vilarejo pequeno, não há sequer um centrinho estruturado, apenas uma rua principal. De um lado, há o mar e, do outro, o rio. As opções de hospedagem se dividem em duas localizações: hotéis à beira mar (em frente à praia) e hotéis à beira rio (mais próximos da maioria dos restaurantes).

Rua principal do vilarejo de Santo André (Foto: Viagem no Detalhe)

Não vale muito a pena quebrar a cabeça na escolha entre um ou outro. As distâncias são pequenas e, em aproximadamente 20 minutos de caminhada, chega-se da praia aos principais restaurantes do vilarejo.

Eu escolhi ficar numa pousada à beira mar: a Vila Araticum e gostei bastante. O lugar é simples e rústico, mas a localização é perfeita, o atendimento é simpático e o quarto, confortável.

Quarto da Vila Araticum (Foto: Divulgação)
Acesso à praia, da Vila Araticum (Foto: Viagem no Detalhe)

O café da manhã poderia ser melhor, mas não é nada que prejudique a estadia. Gostei muito de ficar lá e achei a pousada perfeita para curtir dias de relaxamento no vilarejo. Reserve aqui (sem custo adicional) sua estadia na Vila Araticum.

Outras opções à beira mar que recomendo são: a Pousada Victor Hugo e o Village Mata Encantada.

Pousada Victor Hugo, na beira mar de Santo André (Foto: Divulgação)
Pousada Mata Village e sua estrutura de casa da árvore (Foto: Divulgação)

Para quem busca uma opção mais luxuosa, recomendo o hotel Campo Brasil, onde a seleção da Alemanha se hospedou, na época da Copa. O hotel é lindo, com uma piscina deliciosa e de frente para a praia.

Considerei ficar lá, mas estava já lotado. Fica para próxima. De toda forma, tive a oportunidade de conhecer o bar e o restaurante da Campo Brasil, como conto mais a frente, nesse post.

Hotel Campo Bahia, onde a seleção da Alemanha se hospedou (Foto: Divulgação)

Reserve aqui (sem custo adicional) sua estadia no hotel Campo Bahia.

À beira rio, recomendo a Pousada do Corsário (uma curiosidade: fui jantar lá uma noite e descobri que a Marisa Orth estava hospedada lá), que achei bem charmosa.

Visual da Pousada do Corsário (Foto: Divulgação)

Se preferir, pesquise aqui outras opções de hospedagem em Santo André.

// O QUE FAZER?

➦  Praia de Santo André – É a principal praia do vilarejo e é super tranquila. A densidade demográfica é baixíssima, a faixa de areia é média e o mar tem ondas discretas. Uma paz só!

Baixíssima densidade demográfica na praia de Santo André (Foto: Viagem no Detalhe)

Há algumas estruturas na praia, como a da Vila Araticum, o beach lounge da Pousada Victor Hugo e algumas barracas avulsas. Tudo com cadeiras de madeira, guarda sol e serviço de praia.

No meu primeiro dia, fiquei na estrutura da Vila Araticum (que é aberta a não hospedes) e curti muito. Comemos gurjão de peixe e lula empanada, acompanhados de um vinho branco – delícia!

Banho de rio – do lado direito da praia (de quem olha para o mar), há o rio. É uma delícia tomar um banho lá, no fim da tarde e apreciar as cores do céu, ao entardecer.

O rio, no fim da Praia de Santo André (Foto: Viagem no Detalhe)

➦ Praia das Tartarugas – no canto esquerdo da praia de Santo André, no sentido oposto ao rio, está a Praia das tartarugas. Foi a que achei mais linda da região!

A bela Praia das tartarugas (Foto: Viagem no Detalhe)
Cenário deslumbrante visto de dentro da Fazenda Amendoeira (Foto: Viagem no Detalhe)

A Praia das tartarugas consegue a proeza de ser ainda mais tranquila, com quase nenhuma onda, e vazia que sua vizinha! Lá só há uma 1 estrutura: a Fazenda Amendoeira, uma mistura de pousada, restaurante e barraca.

O chef do restaurante é um italiano radicado em Santo André e rolam até aulas de culinária por lá (consulte com antecedência para agendar). Na Fazenda é possível almoçar ou apenas petiscar e aproveitar a estrutura, pagando a consumação mínima (em jan/2020, era de R$50,00 por pessoa).

Um pouco da estrutura da Fazenda Amendoeira (Foto: Viagem no Detalhe)

Eu passei o dia lá e optei por apenas petiscar. O camarãozinho frito e a isca de peixe foram os melhores que provei, nesses dias em Santo André. Recomendo muito!

Deliciosos petiscos da Fazenda Amendoeira (Foto: Viagem no Detalhe)

Praia do Guaiú – localizada a aproximadamente 13 km de Santo André, essa praia ficou conhecida por abrigar o famoso restaurante da Maria Nilza – um dos melhores da região!

Praia do Guaiú, mais selvagem e rústica (Foto: Viagem no Detalhe)

Fui para lá especialmente para almoçar no restaurante (conto mais abaixo, nesse post, sobre minha experiência lá), mas gostei muito da praia também. A Praia do Guaiú é mais selvagem e tem, de um lado, rio e do outro, mar.

Mar e rio na Praia do Guaiú (Foto: Viagem no Detalhe)
Mergulho no rio, na praia do Guaiú (Foto: Viagem no Detalhe)

Como não estávamos de carro, fomos para lá de táxi (pedimos para nossa pousada chamar) e a corrida custou R$ 70,00 (ida e volta – valor de jan/2020).

Praia de Santo Antônio – mais uma praia nos arredores do vilarejo, fica a aproximadamente 8 km de Santo André. Não tive tempo de conhecer, mas ouvi falar muito bem de lá.

No ano passado, a Praia de Santo Antônio ganhou um quiosque/restaurante bacana, chamado Maroca da Praia, que tem atraído ainda mais viajantes para lá.

// ONDE COMER?

Apesar de ser um vilarejo pacato e rústico, Santo André surpreende na qualidade dos restaurantes. Há muitos lugares charmosos para comer por lá!

Vou listar aqui os que pude experimentar e deixo a dica de sempre confirmar o horário e o funcionamento dos restaurantes antes de ir, para não perder a viagem (muitos fecham cedo e alguns não abrem fora da temporada).

Gaivota – jantei nesse restaurante, que também funciona como pousada, na minha primeira noite em Santo André e não poderia ter começado de forma melhor minha incursão na gastronomia do vilarejo!

O ambiente do Gaivota é uma delícia: música gostosa, luz de velas, clima aconchegante e o visual do rio, que fica em frente à varanda do restaurante. A comida é deliciosa – provei o bobó de camarão, mas lá não tem erro, qualquer prato deve ser bom!

Visual do restaurante de dia (Foto: Divulgação)

Luz de Minas – restaurante, barzinho, cafeteria e brigaderia – assim se define o Luz de Minas, mais um cantinho charmoso de Santo André.

Apesar de ter pratos apetitosos no menu, fui lá apenas para sobremesa e drinks, depois de jantar, e aproveitei que estava tendo música ao vivo para curtir sem pressa o ambiente e a hospitalidade mineira do lugar. Gostei tanto que repeti 2 vezes a experiência!

Drinks e música ao vivo no Luz de Minas (Foto: Viagem no Detalhe)

Sant’anas – clássico e autêntico italiano do vilarejo. Está sempre bombando, por isso, vale a pena chegar cedo!

O ambiente é uma graça e os pratos são muito gostosos! Provei o tartar de polvo e o tagliatele com molho de limoncello. Buonissimo! 😀

Ambiente do Sant’anas (Foto: Viagem no Detalhe)

El Floridita – é o restaurante da Pousada Corsário, considerado um dos melhores do vilarejo. Os pratos mudam sazonalmente e a criatividade é sua marca registrada.

No meu jantar lá, provei a salada de lula com feijão de corda e o camarão na abóbora, com arroz negro e farofa de biri biri – tudo delicioso!

Caju – é o restaurante do Hotel Campo Bahia, onde se hospedou a seleção da Alemanha, na época da Copa do Mundo de 2014.

Reservei um jantar lá e aproveitei a oportunidade para conhecer um pouquinho o hotel (que aliás, é lindo!). Antes do jantar, tomei um drink no Champions bar, que fica em frente à piscina e é todo temático com motivos futebolísticos.

Drinks no Champions Bar (Foto: Viagem no Detalhe)

No dia que jantei lá, o menu do restaurante era buffet de comida baiana e, pelo valor fixo de R$ 80,00 (jan/2020), comia-se à vontade. Tudo muito farto e bem feito, gostei bastante da experiência!

Buffet de comida baiana no restaurante Caju (Foto: Viagem no Detalhe)

Sambaco bistroteco – barzinho simpático do vilarejo. Fica em frente ao restaurante Gaivota. Fui lá depois de jantar no Sant’Anas, para um drink e curtir a música ao vivo que estava rolando.

Tem opções de pratos e petiscos, para quem quiser passar a noite toda lá e é bem animado!

Noite de música ao vivo, no Sambaco (Foto: Viagem no Detalhe)

Aqui eu Maria Nilza – melhor experiência gastronômica da viagem!! O restaurante da Maria Nilza justifica, por si só, uma ida à Praia do Guaiú.

Assim que você chega no restaurante, que é pé na areia, já dá pra notar que se trata de um lugar especial. O cuidado com cada detalhe é visível: água de hibisco, toalhas e cangas disponíveis para os visitantes, cantinhos de contemplação e muito charme!

Entrada do restaurante (Foto: Viagem no Detalhe)
Estrutura do Aqui eu Maria Nilza (Foto: Viagem no Detalhe)

Mas quando vem a comida é que somos conquistados de vez! Provei os pastéis e, como estava sem camarão no dia, eles substituíram por lagosta (que chato! rs). Os pratos são todos feitos no forno à lenha e, apesar do menu todo ser de encher a boca d’água, não dá pra escapar do famoso arroz de polvo, que está intimamente ligado à história do restaurante e à fama conquistada pela Maria Nilza. É simplesmente de comer rezando!

Melhor arroz de polvo da vida!! (Foto: Viagem no Detalhe)
Um pouco da história do restaurante (Foto: Viagem no Detalhe)

No fim da refeição, a própria Maria Nilza passou de mesa em mesa, esbanjando simpatia, e conversou um pouco conosco. Uma querida!

Com a querida Maria Nilza (Foto: Viagem no Detalhe)

Na hora de ir embora, há ainda um ritual especial: ela oferece uma caixa para você tirar a sorte do dia e um trevo de 4 folhas, cultivado no seu próprio jardim. Quanta delicadeza! Impossível não se apaixonar!

Sorte grande é poder conhecer esse lugar! (Foto: Viagem no Detalhe)

***

Espero que essa viagem para Santo André dite o tom do meu ano, e que todo o sossego que lá encontrei se propague nos próximos 300 e poucos dias que virão. Depois de conhecer o vilarejo, não tive dúvidas: com o banho da energia mágica de lá, é claro que os alemães venceriam a Copa. Não tinha mesmo como ser diferente rs.

Obrigada pela visita!

Beijos,

Camilla

Acompanhe minhas viagens em tempo real pelo Instagram >>@viagemnodetalhe

Se você gosta das dicas do blog, ajude na sua manutenção, reservando seus hotéis e pousadas pelos links daqui. Isso não aumenta em nada o valor da sua reserva e gera um pequeno percentual revertido para o blog 

Compartilhe!
Deixe seu Comentário
 
2 Comentários
  1. Luiz
    06.03.2020

    Camila, boa tarde.
    Adorei ler no seu blog sobre Santo Andre.
    A minha ideia é exatamente a mesma da sua… Um lugar para descansar, com uma boa praia, sem multidões e com boas opções gastronômicas.
    Irei em abril e também vou ficar por 7 dias na na Vila Araticum, pois achei um ótimo custo benefício.
    Pretendo alugar um carro por dois dias para ir a Guaiú e a Belmonte… Depois, só descansar e curtir aquelas praias maravilhosas.
    Alugar bicicleta também está nos meus planos, para poder ir mais rápido até a vila ou a noite para jantar fora… e talvez ir a Santo Antônio, que fica a 8 km somente.
    De resto, quero uma semana de muita paz e sossego, boas comidas e se não for pedir demais, um pouco de sol. De porto Seguro, só quero distância e o Aeroporto… Deixo a muvuca para os outros… rsss
    Forte abraço.
    Luiz Grillo
    Instagram (luizgrillo)

    • Camilla
      09.03.2020

      Boa tarde, Luiz!
      QUe bom que gostou do post! 🙂 Acho que seu roteiro está perfeito e que você vai curtir muito Santo André. Realmente não tem lugar melhor para descansar do que esse! Aproveite muito sua viagem!
      Abraços,
      Camilla

Lugares que já visitei
Instagram: @viagemnodetalhe