Jaipur, a vibrante capital do Rajastão
Ásia Índia Jaipur

Jaipur, a vibrante capital do Rajastão

Por Camilla Ribeiro    Postado em 10.10.2017

Jaipur é a capital do Rajastão, o maior estado da Índia e aquele que mais nos remete à imagem do país que povoa nosso imaginário. Sabe aquela Índia de As Mil e Uma  Noites, repleta de cores, sons e sabores exóticos? Eu me senti nela, quando cheguei ao Rajastão, mais precisamente em Jaipur!

encantadores_de_cobra_jaipur

Encantadores de cobras nas ruas de Jaipur (Foto: Viagem no Detalhe)

bandeira_jaipur

Bandeira de Jaipur (Foto: Viagem no Detalhe)

A cidade foi fundada em 1728, pelo Marajá Sawai Jai Singh II (super importante na história local, como ainda vou comentar por aqui!) e é conhecida como “Pink City”. Esse apelido surgiu em 1876, quando o marajá determinou que Jaipur fosse pintada toda de rosa para recepcionar o príncipe de gales. Hoje em dia, apenas a parte antiga da cidade se mantém rosa.

city_palace_vista_de_cima

City Palace, visto de cima (Foto: Viagem no Detalhe)

Como chegar?

Jaipur localiza-se a aproximadamente 230 km de Agra, uma distância de aproximadamente 4 horas, de carro (mais ou menos o mesmo tempo que se gasta, indo de Delhi para lá também).

Como já comentei aqui no blog, fiz esse deslocamento de carro, partindo de Agra, com motorista privativoNesse post, você encontra minha indicação de motorista para a sua viagem à Índia (e tudo mais necessário para planejar sua visita ao país 😉 ). Eu acho bacana fazer o trajeto de carro, pois dá para fazer algumas paradas estratégicas no caminho. Eu, por exemplo, parei em Fatehpur Sikri e no Chand Baori Abaneri, mas isso já é assunto para outro post…

É também possível optar por fazer o deslocamento pela via aérea. As companhias Jet AirwaysJet Konnect e Air India operam voos diretos, partindo diariamente de Delhi para Jaipur.

Quanto tempo ficar?

Jaipur é uma cidade cheia de vida e atrativos, tem muuuita coisa boa para se fazer por lá. Por isso, recomendo que você dedique, pelo menos, 2 dias inteiros (ou seja, 3 noites) para explorá-la.

Esse foi exatamente o tempo que passei em Jaipur e achei satisfatório para poder curtir tudo o que a cidade tem a oferecer.

Onde ficar?

Em Jaipur é possível encontrar opções de hospedagem para todos os gostos e bolsos. Eu escolhi ficar no Suján Rajmahal Palace e posso dizer para vocês que foi uma escolha mais do que acertada!

sujan_sala_polo

Salão temático de pólo do Sujan Rajmahal Palace (Foto: Viagem no Detalhe)

O hotel, que é membro da reconhecida associação Relais & Chateaux, era um palácio de verdade (!) e pertence, até hoje, à família real de Jaipur. Aqui, cabe um esclarecimento: apesar de o tempo dos marajás já ter tido fim há muito, notei, em todas as cidades do Rajastão por onde passei, a presença de uma “realeza tácita“.

sujan_piano

Família real de Jaipur em destaque na decoração do hotel (Foto: Viagem no Detalhe)

Com o diferencial de se tratar de um verdadeiro palácio, uma decoração belíssima, rica em detalhes (repare nos papeis de parede, diferentes em cada cômodo!) e um atendimento aos hóspedes como se fossem também membros da realeza, não preciso nem dizer o quanto amei o hotel, né?

sujan_restaurante2

Salão turquesa, mais uma opção para o café da manhã (Foto: Viagem no Detalhe)

sujan_hall_piso_pricipal

Hall ricamente ornamentado do Suján (Foto: Viagem no Detalhe)

Eu havia reservado um quarto de uma categoria intermediária, mas tive a sorte de receber um upgrade para a maravilhosa Yuvraj Suite, o segundo quarto mais luxuoso do hotel! 🙂 Como já comentei aqui, viajar na baixa temporada tem essas vantagens: além de ser possível conseguir ótimos preços, é bem comum receber upgrades nos hotéis (eu tive essa regalia em praticamente todos os lugares onde me hospedei 🙂 ) .

sujan_quarto_yuvraj_suite

A magnífica Yuvraj Suite (Foto: Viagem no Detalhe)

A suíte era enoooorme, com quarto, sala de estar, hall para malas e um banheiro gigante e fabuloso! Além disso, conta com várias regalias, como serviço de lavanderia incluído, roupões, chinelos, mimos no check out etc.

sujan_hall

Hall com armário e espaço para malas (Foto: Viagem no Detalhe)

sujan_banheiro

Luxuoso banheiro da Yuvraj Suite (Foto: Viagem no Detalhe)

Um dos meus cômodos favoritos do hotel todo foi o 51 Shades of Pink, o salão (todo rosa! até o ar condicionado! rs), onde o farto e delicioso café da manhã era servido. O café tinha uma seleção de frutas, sucos e pães e os demais itens – tanto da culinária indiana quanto da ocidental – podiam ser escolhidos pelos hóspedes, no cardápio, de acordo com o seu gosto.

sujan_51_shades_of_pink

51 shades of Pink, o restaurante mais lindo do hotel! (Foto: Viagem no Detalhe)

A área externa do hotel, composta por piscina e jardins, também é uma delícia e merece destaque!

sujan_piscina

Piscina do Suján acompanhada de um rosé local (Foto: Viagem no Detalhe)

sujan_jardins

Os belos jardins do hotel (Foto: Viagem no Detalhe)

Resumindo: além de ser um excelente hotel em todos os sentidos, o Suján Rajamahal Palace é praticamente uma atração turística – se hospedar lá é uma verdadeira viagem de volta ao tempo dos marajás. Recomendo muito!

Reserve sua estadia no Suján por aqui.

O que fazer?

Como já disse aqui, Jaipur é uma cidade cheia de atrações turísticas, então, prepare-se para dias repletos de atividades por lá!

Hawa Mahal – o Palácio dos Ventos foi construído em 1799 e é um dos cartões postais de Jaipur. O local se trata, na verdade, mais de uma fachada do que de uma construção para ser visitada propriamente. Sua arquitetura, peculiar e cheia de janelas, tinha por fim permitir que as mulheres da realeza pudessem observar a vida da cidade sem serem vista, já que a lei do véu imperava.

wind_palace_tarde

Arquitetura fabulosa do Hawa Mahal (Foto: Viagem no Detalhe)

Confesso que fiquei babando pela construção belíssima do prédio, que tem a forma da coroa do deus hindu Krishna. Uma dica é sair para visitar o local de manhã, bem cedinho, quando o comercio ainda não abriu, pois assim você pode ter a oportunidade de admirá-lo sem ser perturbado (o que é impossível na parte da tarde). Vale, ainda, voltar ao Palácio dos Ventos uma segunda vez, à noite, para ver as luzes coloridas brilhando de cada uma de suas janelinhas. É lindo!

Forte de Amber – Construído em 1592, o Forte de Amber é o principal ponto turístico de Jaipur e um dos que mais amei conhecer nessa viagem! O Forte é daqueles lugares riquíssimos em detalhes, que te transporta pra outra época e impressiona com sua imponência e suntuosidade.

amber_fort_entrada

O incrível Amber Fort (Foto: Viagem no Detalhe)

Há duas formas de acesso ao Forte de Amber: de carro ou, como faziam os marajás, de elefante.

amber_fort_subida_elefante

Subida como marajás ao Forte de Amber (Foto: Viagem no Detalhe)

Eu confesso que sou bem preocupada com esse tipo de programa, mas vi que, em Jaipur, diferentemente de outros locais, há um forte controle dos elefantes por parte do governo. É controlado o número de subidas, de acordo com a época do ano, horário e saúde dos animais, que também são considerados sagrados.

amber_fort_elefante

Nina, elefoa que fez o percurso conosco (Foto: Viagem no Detalhe)

Contando com isso (e com a empolgação do marido, rs), fizemos a subida de elefante, que foi, no fim das contas, bem bacana. O visual durante o percurso é lindo!

amber_fort_vista_cima

Vista do alto do Forte de Amber (Foto: Viagem no Detalhe)

O Forte é enorme  e cheio de cantinhos especiais, palácios e detalhes. Recomendo chegar bem cedo (até umas 8h, se quiser subir de elefante) e reservar, pelo menos, metade do dia para poder explorar com calma – e tirar mil e uma fotos! – todos os inúmeros cantinhos de lá.

amber_fort

Vista de um dos palácios do Forte (Foto: Viagem no Detalhe)

City Palace – Localizado no coração da capital do Rajastão, o Palácio da cidade foi construído entre 1729 e 1732 e possui dois complexos: Chandra Mahal e Mubarak Mahal. Parte da família real ainda mora no primeiro complexo.

city_palace_vasos

O Palácio da Cidade rosa de Jaipur (Foto: Viagem no Detalhe)

A suntuosidade, rica ornamentação e beleza arquitetônica são os pontos altos da visita. Se você, assim como eu, é apaixonado por arquitetura, vai pirar nesse lugar! São tantos detalhes e estilos diferentes, que é difícil saber para onde olhar!

city_palace_sala_azul

Detalhes hipnotizantes do salão azul (Foto: Viagem no Detalhe)

city_palace_sala_pedras_preciosas

Sala repleta de ouro e pedras preciosas (Foto: Viagem no Detalhe)

No andar térreo do Palácio, encontram-se as famosas Portas das Estações, 4 lindas portas, simbolizando as estações do ano. Cada uma delas possui desenhos, pinturas e trabalhos diferentes. É ou não é de se encantar?

city_palace_portinha_1

Portas das estações (Foto; Viagem no Detalhe)

 

Por ainda ser habitado pela família real de Jaipur, a visita ao complexo Chandra Mahal é paga à parte e é bem mais cara. Contudo, vale a pena fazer a visita completa, acompanhado de um guia (ou áudio guia), que irá te mostrar todos os segredos do palácio.

Jantar Mantar – É o observatório da cidade, construído pelo marajá Jai Singh. No local, é possível ver diversos instrumentos astronômicos construídos entre 1724 e 1734 e que funcionam até hoje! É impressionante ver o desenvolvimento da astronomia naquela época!

jantar_mantar_jaipur

O sempre moderno Jantar Mantar (Foto: Viagem no Detalhe)

Albert Hall Museum – Construído em 1876, em homenagem ao príncipe Albert, da Inglaterra, o museu exibe mostras de história geral de diversos países, incluindo um pequeno acervo sobre o Rajastão. Mesmo se esse não for seu tipo de passeio, vale dar uma passadinha rápida, para admirar sua belíssima construção, mais uma joia arquitetônica de Jaipur.

albert_museum

Nahargarh Fort – Esse forte, também conhecido com Tiger Fort, é o hotspot da cidade para assistir ao por do sol!

Vá no final do dia (mas não tão em cima da hora, pois lá enche), pegue uma mesinha no bar, peça uma cerveja e aprecie o visual!

Jal Mahal – O “Palácio das Águas” situa-se no meio do lago Man Sagar e foi também construído pelo marajá Jai Singh II. Apesar de não ser possível visitar o interior do palácio, assistir ao por do sol das margens do lago, com essa vista, é certamente um bom programa.

water_palace

Templo dos Macacos – Apesar de não se tratar de um templo dedicado a cultuar esses animais, o local ganhou esse apelido pela abundante quantidade de macacos que é possível se encontrar lá.

monkey_temple_pagode

Templo dos macacos (Foto: Viagem no Detalhe)

O estado de conservação do templo não é dos melhores, mas, tendo tempo, vale a pena visitá-lo. Primeiro, pois a experiência e possibilidade de interação com os macacos é bem bacana. Do lado de fora do templo, é possível “contratar os serviços” de um guia conhecido como “monkey man”, que tem esse apelido por ser super querido (e levar muitos amendoins) pelos animais.

Além disso, no fim do templo, há uma trilha, de onde é possível ter uma vista bem bacana de Jaipur. Fizemos a trilha com a ajuda do monkey man, que nos acompanhou e indicou o caminho, e adoramos apreciar o visual da cidade lá de cima.

jaipur_vista_de_cima

Jaipur vista de cima (Foto: Viagem no Detalhe)

Onde comer?

The Orient Occident – Restaurante localizado dentro do Hotel Suján Rajmahal Palace – onde me hospedei -, mas aberto também a não hóspedes. O restaurante tem um lindo ambiente e possui um menu variado, tanto com pratos típicos do Rajastão, quanto de cozinha ocidental.

sujan_restaurante

Ambiente elegante do The Orient Occident (Foto: Viagem no Detalhe)

Jantei lá duas vezes e pude provar os dois tipos de gastronomia, ambos mais do que aprovados! Na primeira vez, pedi o tradicional Thali.

sujan_restaurante_comida

Tradicional Thali indiano (Foto: Viagem no Detalhe)

O Thali é composto de um prato enorme, com vários pratinhos dentro, com porções pequenas de diversas comidas. Uma dica importante é que dá tranquilamente para pedir 1 thali e dividir para 2 pessoas (que vão comer bem satisfatoriamente!). Fiz isso em vários restaurante e sempre funcionou super bem! Então, se for pedir o thali, não deixe de perguntar se dá pra 2 😉

Da segunda vez, provei o delicioso risoto da casa. Aprovadíssimo!

Para não hóspedes, é importante reservar o restaurante previamente, o que pode ser feito pelo e-mail reservations@sujanluxury.com ou pelo telefone +91 – 11 4617 2700

Bar Palladio – Restaurante e Bar italiano super bacana e pouco divulgado! Fui por recomendação de uma publicação de moda gringa e simplesmente amei o lugar!

bar_palladio
Além da comida ser deliciosa, o ambiente do Palladio é simplesmente incrível! Não deixe de ir lá, para comer e beber bem e curtir uma noite animada!

Endereço: Kanota Bagh, Narain Singh Road

Reservas podem ser feitas pelo e-mail info@bar-palladio.com ou pelos telefones +91 141 2565556/+91 963 6914000, de segunda a domingo, das 18h às 23h

The Grand Peacock Restaurant – Restaurante super simples, mas onde é possível experimentar a deliciosa culinária local em pratos de qualidade! Nosso guia nos levou lá para almoçar um dia e adoramos!

peacock_restaurant

Endereço: 17, Amer Road, Maharhaveli Hotel, Gangapol, Jaipur

Espero ter conseguido transmitir, nesse post, um pouco da riqueza cultural de Jaipur 🙂

Esse foi o terceiro post da série sobre as cidades que visitei na minha viagem para a Índia. No próximo, falo sobre Udaipur, a Veneza do Oriente – não deixe de conferir! 😉

Obrigada pela visita!

Beijos, Camilla

Acompanhe minhas viagens em tempo real pelo Instagram >>@viagemnodetalhe

Quando você reserva um hotel pelos links aqui do blog, eu ganho uma pequena comissão, que me ajuda a manter esse site sempre atualizado, mas que não afeta em nada o valor da sua reserva. Se você está curtindo as dicas, contribua 😉

 

Compartilhe!
Deixe seu Comentário
 
3 Comentários
  1. […] Dias 4, 5 e 6 – Fatehpur Sikri & Jaipur […]

  2. […] post da série sobre as cidades que visitei na minha viagem para a Índia. No próximo, falo sobre Jaipur, a vibrante capital do Rajastão, e uma estratégica parada que fizemos, a caminho da cidade – não deixe de […]

  3. […] já comentei aqui no blog, fiz esse deslocamento de carro, partindo de Jaipur, com motorista privativo. Nesse post, você encontra minha indicação de motorista para a sua […]

Lugares que já visitei
Instagram: @viagemnodetalhe